A alegria do Emanuel (Mt 1,18-25)

Em cada encontro de preparação ao Natal, somos convidados e convidadas a proclamar profeticamente que o Senhor está chegando como libertador e seus sinais se manifestam nas lutas concretas das pessoas empobrecidas e de quem com elas se faz solidário. Que esse nosso encontro nos ajude na construção do mundo proposto por Jesus.

Neste tempo de Advento, de preparação para o Natal, uma figura central é José, que aparece silencioso, sem o poder violento da fala, mas que age em favor da vida dos pequenos e excluídos. No encontro de hoje, vamos nos preparar para o Natal renovando com José, o carpinteiro de Nazaré, nossa esperança e certeza de que outro mundo é possível, onde os homens reconstroem relações de ternura, de amizade, de carinho, de acolhida... na família, na comunidade, no trabalho, na sociedade...

Advento, tempo de espera, de preparação e de chegada. Queremos, com o testemunho de José, recriar relações, apressando o Advento do Reino de Deus com o nosso engajamento solidário nas lutas pela transformação do mundo. Assim é o anúncio que José recebe do anjo, em sonho: um menino vai nascer, concebido por virtude do Espírito Santo; será filho de sua noiva, Maria. O anjo retoma para o menino as palavras do profeta Isaías: Ele será Emanuel, Deus conosco, mas com uma dimensão muito maior.

A missão de Emanuel é maior do que jamais se propôs a qualquer filho de rei: ele salvará o povo. Nele o nome Emanuel, Deus conosco, terá um significado surpreendente:Deus se faz gente, solidário com a humanidade sofredora, para dizer de modo indiscutível que a paz e a reconciliação total são possíveis. Não se trata de uma promessa da ajuda de Deus para vencer esta ou aquela guerra, para derrubar esta ou aquela escravidão. A proposta é muito maior, é uma mudança radical na história, nas relações entre as pessoas e entre os povos. Um poderoso convite para trabalhar por um novo tempo, em que irmãos cuidarão bem uns dos outros, sem medo, sem exclusões, na ternura da solidariedade fraterna.